sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Infraestrutura no Brasil



Ecorodovias ganha concessão do Trecho Norte do Rodoanel Mário Covas, em São Paulo


A Ecorodovias Infraestrutura e Logística, controlada pelo Grupo Gavio, apresentou a melhor proposta no leilão de concessão do Trecho Norte do Rodoanel Mario Covas (SP 021), realizado na última quarta-feira (10) na B3 (antiga BM&F/Bovespa), em São Paulo. Foi oferecida uma outorga de R$ 883 milhões, o que representa um ágio de 90,71% ao valor sugerido pela Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp) – cerca de R$ 462 milhões.

Em segundo lugar ficou a Autostrade Concessões e Participações Brasil, controlada pela Atlantia, que ofertou uma outorga de R$ 517.851.056,00 – ágio de 12%.


O edital garante investimento de R$ 581,5 milhões ao longo de 30 anos em tecnologia, infraestrutura para atendimento ao usuário e pavimento. Com a concessão serão gerados benefícios como a implantação de wi-fi ao longo de toda a malha do Trecho Norte, implantação de câmeras de monitoramento e iluminação de toda a rodovia, se tornando a primeira do País com iluminação completa.

O Trecho Norte do Rodoanel possui 47,6 km e interliga os Trechos Oeste e Leste, se tornando a principal via para o Porto de Santos e para o Aeroporto de Guarulhos. Seu trajeto se inicia na Avenida Raimundo Pereira Magalhães (SP-332) e se encerra na intersecção com a Rodovia Presidente Dutra (BR-116). As obras possibilitarão o acesso à rodovia Fernão Dias (BR-381) e ao Aeroporto Internacional de Guarulhos, com uma ligação exclusiva de 3,6 km.

A construção da via foi iniciada em 2013 sob coordenação da Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa). Estão sendo implantadas 107 grandes estruturas – 44 pontes e 63 viadutos, perfazendo 12,6 km – e sete túneis duplos, que somarão 6,1 km em cada sentido. O investimento previsto é de R$ 8,1 bilhões, sendo R$ 4,3 bilhões aplicados em obras, e o restante em pagamento de compensações ambientais, desapropriações, interferências, projetos, supervisão, gerenciamento, comunicação e obras complementares.

Ao todo, os quatro trechos do Rodoanel somam 180 km de extensão (incluindo os acessos) e fazem ligações entre corredores rodoviários de alta demanda composto pelas rodovias Bandeirantes, Anhanguera, Castello Branco, Raposo Tavares, Régis Bittencourt, Imigrantes, Anchieta, Ayrton Senna, Dutra e Fernão Dias. O Trecho Oeste opera sob concessão da CCR Rodoanel e os trechos Sul e Leste são operados pela concessionária SPMar.

A Ecorodovias já é parceira do Estado de São Paulo nas concessões dos Sistemas Anchieta-Imigrantes (SP 150/SP 160) e Ayrton Senna-Carvalho Pinto (SP 070).

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Macau, sonhos



Chegadas de visitantes a Macau aumentam 7,9% em outubro






2017-11-24 13:47:07portuguese.xinhuanet.com
Macau, 24 jun (Xinhua) -- O número de visitantes a Macau em outubro subiu 7,9% em termos anuais, e 16,2% ante setembro, devido aos feriados do Dia Nacional e Festival do Meio Outono, disse na quinta-feira a Direção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) da região administrativa especial da China.

Em outubro, as chegadas de visitantes a Macau totalizaram 2,89 milhões. O número das pessoas que pernoitaram chegou a 1,47 milhão, e a quantidade de visitantes de um dia foi de 1,42 milhão, 7,3% e 8,4% a mais ante o ano passado, respectivamente.

O tempo médio de estadia manteve-se estável (1,2 dia): os visitantes que pernoitaram ficaram em média 2,2 dias e os que entraram e saíram na mesma data, 0,2 dia.

Os visitantes da parte continental chinesa aumentaram 12,8% ano a ano, para 2,06 milhões em outubro. Eles são principalmente das províncias de Guangdong, Hunan e Fujian. Visitantes da Coreia do Sul cresceram 54,5% para 80.528, enquanto os provenientes de Hong Kong e Taiwan caíram 9,4% e 2,1%, para 465.912 e 85.196.

Nesse período, os visitantes dos Estados Unidos, Austrália, Canadá e Reino Unido também registraram quedas.

Segundo os dados da DSEC, nos primeiros deze meses de 2017, o número de visitantes a Macau totalizou 26,72 milhões, um aumento de 4,6% em termos anuais. Os que pernoitaram somaram 14,11 milhões, um aumento de 10,4%, e os que ficaram um dia diminuíram 1,2%, para 12,61 milhões.

O tempo médio de estadia dos visitantes permanenceu estável em termos anuais para 1,2 dia: os visitantes que pernoitaram ficaram em média 2,2 dias e os que entraram e saíram na mesma data, 0,2 dia.

De janeiro a outubro, visitantes da parte continental da China atingiram 18,15 milhões e os da Coreia do Sul, 724.637, diminuindo 7% e 36,8% ano a ano, respectivamente.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Modelando o transporte de massas



Novos trens de alta velocidade correm em linhas no norte da China
2017-09-27 10:24:31





O trem Fuxing C2001 chega à Estação Ferroviária de Tianjin, em 21 de agosto de 2017. O Fuxing, os trens-bala de nova geração da China, entraram em operação na Ferrovia Interurbana Beijing-Tianjin em 21 de agosto. (Xinhua/Yang Baosen)



Beijing, 22 ago (Xinhua) -- O trem-bala de alta velocidade de nova geração da China, o Fuxing, entrou em operação na segunda-feira em duas linhas ferroviárias que conectam as principais cidades da região Beijing-Tianjin-Hebei.

O serviço de alta velocidade marca um passo fundamental nos serviços de transporte integrado dentro da região, uma vez que o governo chinês busca o desenvolvimento econômico coordenado entre as três áreas.

O Fuxing saindo de Beijing realizará todos os dias 39 viagens de ida a Tianjin e seis a Xingtai, na Província de Hebei.

Os trens vão parar em 10 cidades da região, incluindo Beijing, Tianjin, e Baoding, Xingtai e Shijiazhuang, em Hebei.

Eles representarão 18% dos serviços totais na linha Beijing-Tianjin, a primeira ferrovia de alta velocidade da China, que começou a operação em agosto de 2008. Essa linha já transportou mais de 200 milhões de passageiros.

A viagem entre Beijing e Tianjin é curta e as autoridades ferroviárias forneceram descontos para os trabalhadores pendulares, disse Wang Lunan, atendente de trem.

Muitas pessoas escolhem viver em uma cidade e comutar através de trens de alta velocidade para trabalhar em outra cidade.

Song Xin, presidente de uma startup na Nova Área de Binhai em Tianjin, disse que sua empresa se localiza perto da estação ferroviária de alta velocidade e ele faz duas ou três viagens de ida e volta entre Beijing e Tianjin por semana.

A palavra Fuxing significa rejuvenescimento em chinês, e os trens são uma atualização importante nos trens "Hexie", harmonia. Completamente projetado e fabricado na China, o Fuxing é mais espaçoso e eficiente em energia, com uma vida útil mais longa e melhor confiabilidade.

Após 600 mil quilômetros de testes, o novo trem tem uma vida de serviço projetada de 30 anos, 50% mais longa do que seu antecessor, disse Yu Hongliang, mecânico do Departamento de Ferrovias de Beijing.

O Fuxing também é mais moderno, com tomadas elétricas, portas USB e WiFi gratuito.

Comparado com o modelo mais antigo, seu consumo energético por 100 quilômetros é 17% menor quando corre a 350 km/h, informou Yu.

Ele também possui um sistema de monitoramento sofisticado que automaticamente desacelera o trem no caso de emergência ou condições anormais.

No final de junho, os novos trens de alta velocidade correram pela primeira vez na linha Beijing-Shanghai, a rota mais movimentada da China usada por mais de meio milhão de passageiros diariamente.

Em 27 de julho, a China usou os novos trens em teste para restaurar a velocidade máxima dos trens de alta velocidade Beijing-Shanghai para 350 km/h, seis anos depois de ter sido reduzido para 300 km/h.

O trem Fuxing operará a uma velocidade de 350 km/h entre Beijing e Shanghai a partir de 21 de setembro, anunciou na quarta-feira a China Railway Corporation.

A China tem a mais longa rede ferroviária de alta velocidade do mundo, 22 mil quilômetros até o final do ano passado, ou quase 60% do total global.

Cerca de um terço das ferrovias de alta velocidade da China foi projetado para correr a uma velocidade de 350 km/h.

Os trens de alta velocidade fabricados pela China foram vendidos para Indonésia, Rússia, Irã e Índia.

He Huawu, engenheiro-chefe da China Railway Corporation, disse que o Fuxing será a principal exportação ferroviária de alta velocidade da China no futuro.

O modelo pode ser adaptado a várias situações geológicas e operacionais, incluindo climas extremos, uma força competitiva de núcleo no mercado global, acrescentou.